7 é dia de defender o Brasil

O Brasil vive um momento muito sério de sua história com os graves ataques à Democracia por parte de Bolsonaro e seus apoiadores. É totalmente inaceitável que o Presidente da República se comporte de forma totalmente inadequada, que não condiz com o papel de Chefe de Estado, com impropérios e ofensas aos demais poderes da República. O pior de tudo são as reais ameaças de retrocesso democrático, defendidos abertamente por setores políticos ligados a Bolsonaro e seus apoiadores, que flertam com setores armados irresponsáveis.

Mas é fundamental que os brasileiros não se iludam com as falsas promessas e não se distraiam com as cortinas de fumaça. O que realmente está destruindo o Brasil é a política econômica de Paulo Guedes, e o governo está usando todas as formas de “passar a boiada” de sua agenda, de entrega dos serviços públicos ao mercado financeiro especulativo, da destruição do meio-ambiente para atendimento dos negócios escusos de garimpo e desmatamento, e no que se refere à Educação e Ciência, uma política clara de desmonte das Universidades e Institutos autônomos e do sistema de produção científica nacional.

 

A ADUFRGS-Sindical reafirma neste 7 de setembro sua total discordância com essa política econômica e reafirma seu compromisso de mais de 40 anos

com a Democracia, a liberdade de expressão e os direitos civis do povo brasileiro.

 

Temos o firme propósito de denunciar e resistir contra a Reforma Administrativa, que queremos que seja rejeitada no Congresso Nacional. Não aceitamos o fim dos concursos públicos e da estabilidade dos servidores públicos, garantia única de sua autonomia em relação aos interesses privados dos governantes de plantão e barreira contra a corrupção. Se essa PEC 32 for aprovada, não haverá mais isenção e liberdade de ação de setores de fiscalização, não haverá mais a liberdade acadêmica dos professores, pressuposto necessário para a produção de conhecimento crítico e voltado aos interesses da maioria da população. É nosso dever como professores das Universidades e Institutos Federais denunciar esse desmonte do serviço público que virá com a PEC32. A pandemia foi a prova mais cruel da importância do serviço público, do Sistema Único de Saúde, das áreas de ciência que mostraram os erros crassos do governo federal na questão das vacinas e dos medicamentos ineficientes. Temos que unir todas as forças democráticas para mostrar os graves prejuízos desta proposta.

Em relação à política econômica são inequívocos os prejuízos às Universidades e Institutos Federais que a Emenda Constitucional 95, já previstos desde 2016, com a quase inviabilização dos serviços que estas instituições prestam à sociedade, sendo que a lógica que este governo defende é a da prestação dos serviços públicos pela iniciativa privada, como se esta fosse uma solução que atendesse aos interesses da maioria da população, o que é uma inverdade completa. E a prática de Bolsonaro de intervir nas Universidades é a forma como o governo encontrou para tentar quebrar a resistências da academia à sua política. A crise econômica, o aumento da inflação causado pelo próprio governo com o aumento dos preços administrados e a paridade internacional dos preços dos derivados de petróleo é a prova maior do desastre que se avizinha, com o aumento da pobreza e da miséria, com a taxação maior da classe média e com a apropriação dos recursos públicos pelos setores do mercado especulativo e empresas internacionais.

Assim, temos todos os motivos para tomar as ruas no dia 7 de setembro, em apoio e reforço ao Grito do Excluídos, como forma de demonstrar a Bolsonaro que sua política não serve ao povo brasileiro e mais do que tudo, demonstrar aos setores golpistas que não aceitaremos nunca mais uma ditadura no Brasil! Queremos e terrenos em 2022 eleições limpas e que permitam aos brasileiros buscar uma nova alternativa de governo, que traga de volta os investimentos em educação e saúde públicas, que tenha uma política econômica de distribuição de renda e de acesso aos serviços públicos e que respeite a ciência e tenha um real compromisso com a democracia.

 Em 7 de setembro vamos defender o Brasil!

 Contra a Reforma Administrativa!

Pela mudança na política econômica privatista!

Pela garantia das liberdades democráticas e respeito às eleições livres!

Contra a intervenção e cortes de recursos nas Universidades e Institutos Federais!

 

Acompanhe a programação da ADUFRGS-Sindical e da CUT no 7 de setembro em Porto Alegre:

Vista camiseta da ADUFRGS-Sindical e leve sua bandeira na mão!

– 11h Ato Ecumênico no espelho d’água da Redenção (concentração às 10:30h na esquina da rua Paulo Gama com a rua Setembrina)

– 12h saída da caminhada do Grito dos Excluídos.

 

Diretoria da ADUFRGS-Sindical

 

Comments powered by CComment

No thoughts on “7 é dia de defender o Brasil”