Previous Next

Diretoria faz balanço dos primeiros meses da gestão 2022-2025 e projeta expectativas para 2023

Estreitar as relações com os filiados e filiadas nas bases, fazer novas filiações e seguir na luta por uma educação pública, gratuita, de qualidade social, com investimento público foram a marca dos primeiros meses de gestão 2022-2025 da Diretoria da ADUFRGS-Sindical, que assumiu o mandato em agosto do ano passado.

Visitas às unidades

Um dos destaques foi a programação de visitas em nove unidades da base do Sindicato, que resultou na filiação de mais de 40 docentes e no diálogo com a categoria do magistério público superior. Em 2022, a unidade móvel percorreu os campi da UFCSPA e do IFRS Feliz, em outubro; o IFRS Restinga, o IFSul Sapucaia do Sul, o IFSul Charqueadas, o IFRS Porto Alegre, em novembro; o Cento de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) UFRGS, o IFRS Caxias do Sul e o IFRS Bento Gonçalves, em dezembro.

Durante as visitas, o Sindicato promoveu rodas de conversa com os docentes, sanando dúvidas sobre a carreira do Magistério Superior e assuntos de previdência e aposentadoria, com recorte para a questão da Funpresp. O referido conteúdo e as orientações foram transmitidos pelo professor Eduardo Rolim, Diretor de Relações Internacionais do PROIFES-Federação e Diretor de Tesouraria do Sindicato.

Conforme avalia a professora Ana Boff de Godoy, Vice-Presidente da ADUFRGS-Sindical, as visitas foram produtivas e aproximaram a nova Diretoria dos professores em seus locais de trabalho. “A agenda de visitação foi positiva, pois produzimos 41 novas filiações, além de dialogarmos com os docentes sobre as pautas da categoria. Nesses lugares, tivemos a oportunidade de nos apresentarmos para os filiados, mostrando a política e o alcance do sindicato”, destacou. “O contato interpessoal com os professores nas visitas foi gratificante, visto que ficaram felizes em saber que nos preocupamos com eles”.

A Vice-Presidente adiantou que a ideia em 2023 é ampliar a programação de visitas às demais unidades e depois repetir lugares. “Nosso objetivo é fazer uma visita por semana, inclusive em lugares que temos filiados, mas que ainda fazem parte de nossa base”, informou.

Ana Boff também comemorou os novos convênios firmados no ano passado e sinalizou novidades para este ano. “Nas visitas, identificamos a necessidade de expandir convênios locais em todas as cidades que temos filiados”. “Nós buscamos atender as sugestões dos nossos docentes. No ano de 2023, teremos mais convênios e parcerias”, antecipou.

Atividades da ADUFRGS

A nova Diretoria da AFUFRGS-Sindical apostou na abertura do auditório da sede da Barão do Amazonas para receber os filiados e filiadas com atividades políticas, sindicais e culturais. Em setembro, ocorreu o pré-lançamento nacional do documentário “O Complô”, dirigido por Luiz Alberto Cassol, a partir do livro homônimo do deputado constituinte Hermes Zaneti.

Já em outubro, pela primeira vez o palco do auditório recebeu a apresentação de uma peça de teatro “Que raio de professora sou eu”, de autoria de Fanny Abramovich, com interpretação da atriz Heloisa Palaoro e direção de Néstor Monastério.

O espetáculo teatral integrou a programação do Mês dos Professores, que contou com o tradicional jantar, dia 15 de outubro, realizado na zona sul de Porto Alegre. “Ao invés do sorteio de brindes, nós presenteamos os docentes. Além disso, os professores que vieram retirar seu convite para a festa doaram brinquedos e livros, que foram distribuídos para mais de 110 crianças da Vila Nossa Senhora Aparecida, 60 delas atendidas pela Cooperativa das Costureiras Univens. O sindicato também doou 50 livros para a Creche Nova Geração e 13 jogos para a criançada”, salientou.

A programação em homenagem aos professores encerrou com o show musical do cantor e poeta Richard Serraria, na sede do Sindicato.  

O Novembro Negro foi mais uma atividade inédita na ADUFRGS-Sindical e contou com dois dias de programação. No primeiro dia foi realizado o debate "No Brasil, lugar de negro e negra realmente é onde quiser?" com a presença de personalidades negras de diferentes áreas de atuação. Já no segundo dia, ocorreu uma atividade musical com o artista Richard Serraria e um Panelafro, atividade feita por estudantes do curso de Gastronomia da UFCSPA com a coordenação da professora Luana Teles da UFCSPA, que ofertou comidas típicas da culinária afro-brasileira. “Foi uma espécie de abertura da agenda cultural. Em 2023 nossa intenção é fazer uma agenda cultural permanente de cunho político e sindical”, ressaltou.

Natal Solidário

Dentro das ações sociais, o Natal Solidário da ADUFRGS-Sindical arrecadou doações em dinheiro dos professores filiados para a compra de alimentos, que foram repassados para famílias carentes. Nos dias 21 e 22 de dezembro, foram distribuídas 50 cestas básicas para comunidades que integram projetos sociais em Porto Alegre.

Para a professora Regina Witt, diretora de Secretaria do Sindicato, a iniciativa, além de ser um ato de solidariedade para combater a fome, valoriza os projetos desenvolvidos pelos professores filiados em prol da população em vulnerabilidade social. “Nossa intenção é seguir com essas ações, cumprindo com o nosso papel social e valorizando o trabalho dos colegas”, afirmou.

Além disso, o Sindicato seguiu a parceria com a CUT/RS e outras entidades no combate à fome. No total, desde 2020, quando iniciou-se a parceria, foram destinados aproximadamente 1 milhão de reais em cestas básicas.

Núcleo de Multiatividades

Após mais de dois anos sem encontros presenciais devido à pandemia de Covid 19, o Núcleo de Multiatividades da ADUFRGS-Sindical retomou a agenda na sede da Barão do Amazonas. Os tradicionais jogos de tabuleiro retornaram com ampla participação dos aposentados e aposentadas, no Espaço de Convivência e Atendimento do segundo andar. Outro destaque foi o grupo de literatura, que também atraiu os filiados.

Manifestações contra o desmonte na Educação

“Sem investimento público não há educação pública de qualidade” esse foi o tom do movimento político da ADUFRGS-Sindical durante o ano passado. Desde que a diretoria assumiu, em agosto de 2022, intensificou na luta contra os cortes orçamentários na educação pública. “Estabelecemos um canal de diálogo com os reitores da UFCSPA, IFSul e IFRS para lutarmos por um orçamento justo capaz de manter as instituições. Infelizmente a reitoria da UFRGS nunca nos recebeu apesar das insistentes tentativas, mas de qualquer maneira representamos a Universidade em todas as instâncias”, enfatizou Ana Boff.

Quando no apagar das luzes, o Governo de Jair Bolsonaro anunciou mais um bloqueio no orçamento das Instituições Federais de Ensino Superior, a ADUFRGS-Sindical foi a primeira entidade a ingressar com um pedido de desbloqueio das verbas via Ministério Público Federal. “Nosso pedido foi acolhido junto a representações legais de outras entidades e essa ação foi muito importante, porque motivou o MP a recomendar o pagamento imediato das verbas bloqueadas”, apontou.

A ADUFRGS-Sindical atuou em conjunto com os técnicos, docentes e estudantes de outras entidades. “Estivemos presentes em todas as manifestações contra os cortes no orçamento do MEC e conversamos com os deputados federais para reverter essa situação de desmonte da educação pública”, disse.

Com a posse do novo Governo Federal, o Sindicato tem a expectativa de retomar o diálogo com o Governo Federal sobre o orçamento da Educação e a reposição salarial dos professores do ensino público federal, que ultrapassa 40% de defasagem. “Esperamos que o novo governo seja de abertura de diálogo, de retomada do investimento em educação. Precisamos manter e reestruturar as unidades que foram sucateadas ao longo desses seis anos”, finalizou Ana Boff.

Veja aqui a participação da ADUFRGS-Sindical, na posse do Ministro da Educação Camilo Santana e a perspectiva do sindicato para o novo governo.  

Comments powered by CComment

No thoughts on “Diretoria faz balanço dos primeiros meses da gestão 2022-2025 e projeta expectativas para 2023”