Retorno presencial da UFRGS

Só é viável com plano e assistência à comunidade acadêmica, defendem entidades representativas

Universidade liberou unidades para planejarem retomada a partir de janeiro de 2022

Zero Hora 18/10/2021

ISABELLA SANDER Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Apesar de a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) ter liberado as unidades acadêmicas para planejarem o retorno de atividades presenciais para o próximo semestre, a se iniciar em janeiro de 2022, muitas dúvidas sobre a retomada ainda pairam sobre diretores, professores, técnicos administrativos e estudantes. Via de regra, entidades representativas desses segmentos consideram que a volta às aulas só é viável se a reitoria da instituição apresentar um plano global, com diretrizes de como os protocolos sanitários serão garantidos, por exemplo, e com a oferta de assistência à comunidade acadêmica.

Na semana passada, o Fórum de Diretores das Unidades Acadêmicas da UFRGS enviou um documento às pró-reitorias da instituição, solicitando respostas sobre uma série de dúvidas que surgiram diante da demanda de que as próprias faculdades organizem seu retorno. Liliane Giordani, que é diretora da Faculdade de Educação (Faced) e coordenadora do fórum, relata que os gestores das unidades estão planejando a retomada de forma conjunta, mas consideram que ela só será efetiva se o planejamento for articulado junto à gestão central.

— Não é a unidade, de forma solitária, que vai propor o retorno, porque precisamos considerar algumas questões, como o apoio que será oferecido aos estudantes, a reabertura dos restaurantes universitários em campi mais ermos, como o Campus do Vale e o Campus Litoral Norte, e a articulação de transporte para esses lugares, já que há linhas de ônibus que foram desativadas — cita Liliane.

A UFRGS informou que terá uma reunião sobre o assunto na manhã desta terça-feira (19). Nesta segunda (18), o Comitê Covid da instituição também estava reunido para elaborar orientações que servirão de instruções para o encontro de terça.

A diretora da Faced afirma que a expertise de cursos que já tiveram atividades presenciais ao longo da pandemia, como Odontologia e Medicina, está sendo aproveitada para elaborar os protocolos de retomada. Por enquanto, a conclusão é de que o retorno pleno da presencialidade ainda não é possível para o próximo semestre, que se inicia em janeiro. Os planos de ensino estão sendo reorganizados de forma a iniciar atividades práticas em laboratórios e estágios — os alunos de licenciaturas, por exemplo, poderão voltar a fazer estágio na rede pública de ensino, o que antes não estava autorizado. Saídas de campo em cursos como Agronomia e Biologia, por exemplo, também devem ser retomadas.

O Sindicato dos Técnicos-Administrativos da UFRGS, UFCSPA e IFRS (Assufrgs) está realizando uma série de reuniões com servidores da instituição lotados em diferentes setores, a fim de entender as demandas específicas de protocolos sanitários de cada realidade de trabalho para, então, entregar um documento com reivindicações para a reitoria da UFRGS. Segundo a coordenadora geral da entidade, Tamyres Filgueira, a categoria tem consciência de que a data para o retorno presencial está se aproximando e que a volta é necessária, mas precisa ser segura.

— A universidade não parou de trabalhar em nenhum momento e os servidores trabalharam o tempo todo de suas casas para garantir o funcionamento da instituição, mas tudo tem de ser pesado antes de voltarmos, para que ninguém seja infectado — avalia Tamyres.

A maior preocupação é com as salas pequenas e com pouca ventilação em prédios mais antigos da universidade. A entidade pede que sejam ofertados itens como álcool gel e máscaras PFF2. Outra demanda é que os servidores que tenham alguma comorbidade ainda não retornem.

A Adufrgs-Sindical, que representa os professores de instituições federais gaúchas de Ensino Superior, teve uma reunião com o reitor da UFRGS, Carlos André Bulhões, na última sexta-feira (15). Na ocasião, foi apresentada a reivindicação da categoria, de que as aulas presenciais fossem retomadas — especialmente as práticas.

— A reitoria nos garantiu que até o dia 17 de janeiro, quando começa o próximo semestre, toda a infraestrutura para o retorno estará garantida e que tudo que fosse estabelecido pelas unidades acadêmicas como prioridade será retomado. Essa é a expectativa que temos — destaca o presidente da entidade, Lúcio Vieira.

Estudantes querem voltar
Entre os estudantes, a maioria demonstra a vontade de voltar aos prédios da instituição, ainda que de forma escalonada. Estudante de Medicina, Vitorya Gomes considera que as aulas presenciais motivam os alunos, mas que ainda não é o momento de voltar 100%. Por outro lado, acredita que uma dose de presencialidade é importante.

— Eu acho que o esforço que a maioria dos professores está fazendo é incrível, dá pra perceber que eles realmente se empenharam. Mas esse empenho algumas vezes não é o suficiente, a falta de aulas práticas prejudica bastante o aprendizado — lamenta Vitorya.

Enzo Orstreich, que é estudante do curso de Estatística da universidade, avalia que talvez a instituição não tenha condições financeiras de retomar as atividades presenciais, diante do cenário de cortes orçamentários.

— Pessoalmente, por questões pessoais, eu pendo para o ensino remoto, mas entendo o lado discente em querer o retorno das aulas, dado que durante o período de ensino remoto foi clara a redução na qualidade das cadeiras, mesmo não de todas — observa o aluno.

No Diretório Central de Estudantes (DCE) da UFRGS, muita gente tem expressado o sentimento de esgotamento do modelo remoto e demanda pelo retorno presencial com segurança. Na quinta-feira (21), haverá uma reunião do Conselho de Entidades de Base, que reúne centros e diretórios acadêmicos da universidade, para formalizar as demandas dos estudantes no que se refere à retomada da presencialidade.

— No último semestre, milhares de matrículas foram canceladas nas disciplinas porque os estudantes não estavam conseguindo acompanhar as atividades remotas, seja por falta de estrutura ou ambiente para estudar, seja pelo aumento das demandas porque muitos professores aumentaram o número de atividades para compensar a falta de participação presencial. O modelo remoto está mais do que esgotado — conclui o estudante de História Patrick Veiga, que é membro do DCE e do Conselho Universitário (Consun).

Para garantir o retorno seguro, porém, o DCE entende que é importante que haja um plano de assistência estudantil amplo, envolvendo alimentação, auxílio-transporte e moradia. Patrick afirma que muitos estudantes e suas famílias perderam renda durante a pandemia, o que, somado à perda do acesso ao restaurante universitário, gerou aumento considerável no gasto com a alimentação. O diretório defende também o reajuste da bolsa para iniciação científica, que hoje é de R$ 400, e a oferta de bolsas sem contrapartida de trabalho.

Comments powered by CComment

No thoughts on “Retorno presencial da UFRGS ”